terça-feira, 25 de julho de 2017

Arquivo para download: Breves notas sobre a crítica nietzschiana da consciência e da linguagem, por Tereza Cristina B. Calomeni

Afastado da linguagem redutora e simplificadora da metafísica e da ciência – linguagem animada pela “vontade de verdade a todo custo” porque comprometida com uma determinada concepção de ser e de verdade e, portanto, com uma determinada concepção de filosofia –, Nietzsche aposta na possibilidade de construção de outro tipo de linguagem, uma linguagem que, próxima da arte e liberta das amarras do compromisso com a verdade ou o ser em si, seja capaz de, ao menos, tentar, por outro caminho, exprimir, por excesso, o incomum, o singular, o próprio. Não por acaso, a crítica da linguagem é um dos mais relevantes elementos da crítica da tradição metafísica e da ciência, das ideias de ser e de verdade. Não por acaso, no texto inacabado de 1873, Nietzsche reconhece a dimensão metafórica e figurativa da palavra – o valor estético da linguagem. Não por acaso, o próprio Nietzsche inventa nova linguagem, bem distinta da linguagem metafísica e científica, e faz seu estilo explodir, intenso e exuberante, em metáforas, parábolas, metonímias, paródias, aforismos, ditirambos, como a suspender a forma tradicional de pensamento e de expressão, como a procurar, incansável, pela elegante união entre palavra e imagem. Tributário de nova forma de conceber a filosofia, o conhecimento e a verdade, o uso artístico da linguagem é, para Nietzsche, o mais apto ao ensaio de expressão do próprio, do singular, do incomum.

Nenhum comentário: