terça-feira, 25 de julho de 2017

Arquivo para download: Breves notas sobre a crítica nietzschiana da consciência e da linguagem, por Tereza Cristina B. Calomeni

Afastado da linguagem redutora e simplificadora da metafísica e da ciência – linguagem animada pela “vontade de verdade a todo custo” porque comprometida com uma determinada concepção de ser e de verdade e, portanto, com uma determinada concepção de filosofia –, Nietzsche aposta na possibilidade de construção de outro tipo de linguagem, uma linguagem que, próxima da arte e liberta das amarras do compromisso com a verdade ou o ser em si, seja capaz de, ao menos, tentar, por outro caminho, exprimir, por excesso, o incomum, o singular, o próprio. Não por acaso, a crítica da linguagem é um dos mais relevantes elementos da crítica da tradição metafísica e da ciência, das ideias de ser e de verdade. Não por acaso, no texto inacabado de 1873, Nietzsche reconhece a dimensão metafórica e figurativa da palavra – o valor estético da linguagem. Não por acaso, o próprio Nietzsche inventa nova linguagem, bem distinta da linguagem metafísica e científica, e faz seu estilo explodir, intenso e exuberante, em metáforas, parábolas, metonímias, paródias, aforismos, ditirambos, como a suspender a forma tradicional de pensamento e de expressão, como a procurar, incansável, pela elegante união entre palavra e imagem. Tributário de nova forma de conceber a filosofia, o conhecimento e a verdade, o uso artístico da linguagem é, para Nietzsche, o mais apto ao ensaio de expressão do próprio, do singular, do incomum.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Na Web: Ansiedade sem aplicativo, por Oswaldo Giacoia Júnior

O ritmo da modernidade é marcado pela intensificação da agitação em escala global, do ativismo e do falatório, característicos do estilo de vida em sociedades tecnologicamente desenvolvidas. Nossa cadência é determinada pela velocidade operante nos circuitos informativos e comunicacionais nos quais estamos enredados. Como disse o filósofo Adauto Novaes, somos uma civilização de falastrões, que se obstina em Facebooks, celulares, conversas virtuais, tuítes (escritos na cadência da fala; ao contrário de Macunaíma, já não temos mais que aprender o português escrito e o português falado). Nunca se falou e escreveu tanto, multiplicando-se a injunção à bavardage pelos meios e canais mais diversos, acelerando vertiginosamente a temporalidade e proliferando espaços imateriais de fala e escrita conectados em redes sociais de amplíssimo alcance. O WhatsApp, em especial, tornou-se mania, uma irresistível solicitação que nos mantém permanentemente online, fazendo desaparecer nossas horas de estudo e contemplação, alterando nossas noções de urgência e emergência.

O filósofo Friedrich Nietzsche ajuda-nos a refletir sobre essa compulsão à velocidade comunicacional e ao formigamento dos discursos vazios em dimensão planetária. Para uma percepção refinada e extemporânea como a de Nietzsche, essa curiosidade generalizada, esse anseio pela novidade, que torna tudo imperiosamente urgente, é um sintoma de corrupção do gosto e embotamento de corações e mentes, indício de uma ausência de pensamento, em que só há percepção para o elemento quantitativo, para a maximização de performances, numa alucinada e constante busca de satisfações imediatas. Em seu tempo, Nietzsche já discernira esse traço como um ingrediente do american way of life: “Há uma selvageria pele vermelha, própria do sangue indígena, no modo como os americanos buscam o ouro. E a asfixiante pressa com que trabalham – o vício peculiar ao Novo Mundo – já contamina a velha Europa, tornando-a selvagem e sobre ela espalhando uma singular ausência de espírito. As pessoas já se envergonham do descanso. A reflexão demorada quase produz remorso. Pensam com o relógio na mão enquanto almoçam, tendo os olhos voltados para os boletins da bolsa. Vivem como alguém que a todo instante poderia ‘perder algo’. ‘Melhor fazer qualquer coisa do que nada’. Esse princípio é também uma corda, boa para liquidar toda cultura e gosto superior”.

domingo, 9 de julho de 2017

Arquivo para download: O caráter vulgar da linguagem segundo Nietzsche, por Márcio José Silveira Lima

O presente artigo analisa a concepção de Nietzsche sobre a linguagem, levando em consideração algumas obras iniciais e algumas finais, procurando compreender as mudanças que o filósofo tem da questão. Enquanto nas primeiras obras Nietzsche ainda sustenta uma visão positiva da metafísica e do lugar que a linguagem nela ocupa, no período tardio as mesmas razões que antes assumiam um aspecto positivo passam a ser alvo da crítica. Se na metafísica de artista das primeiras obras o caráter genérico da linguagem com seu rompimento com o princípio de individuação é visto de forma positiva, nas obras tardias a linguagem será criticada porque suprime o que há de individual, revelando apenas o aspecto vulgar da vida coletiva, ou seja, traduz apenas o que há de comum entre os homens.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Arquivo para download: A superação da dualidade cultura/biologia na filosofia de Nietzsche, por Wilson Antonio Frezzatti Jr.

Nietzsche considera-se o primeiro pensador a abordar o problema da cultura ou, como ele a entende, da elevação do homem. De qualquer modo, encontramos em sua filosofia duas perspectivas acerca desse problema: uma que podemos denominar de “fisiológica” ou “biológica” e outra, de “cultural”. Na primeira, o homem é compreendido enquanto relações entre impulsos ou quanta de potência. Na segunda, o filósofo alemão considera que aspectos culturais e a educação são responsáveis pela elevação ou decadência do homem. Se considerarmos apenas uma dessas perspectivas, deveríamos postular a presença de um determinismo biológico ou cultural no pensamento nietzschiano. Entretanto, esse não é o caso, pois os estudos que Nietzsche faz da cultura e das configurações de impulsos ou da “fisiologia” não ocorrem isolados um do outro, pois fazem parte de uma mesma reflexão filosófica. Ao considerar que o corpo e a cultura sofrem os mesmos processos por serem resultado de uma hierarquia de impulsos em luta entre si por mais potência, o filósofo alemão dissolve os limites entre cultura e biologia.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Arquivo para download: Carta ao pai, de Franz Kafka

Todas aquelas idéias na aparência independentes de você estavam desde o início gravadas pelo seu juízo desfavorável: suportar isso até a exposição completa e duradoura do pensamento era quase impossível. Não falo aqui de pensamentos elevados de qualquer natureza, mas de todos os pequenos empreendimentos da infância. Bastava estar feliz com alguma coisa, ficar com a alma plena, chegar em casa e expressá-la, para que a resposta fosse um suspiro irônico, um meneio de cabeça, o bater do dedo sobre a mesa: "Já vi coisa melhor", ou "Para mim você vem contar isso?", ou "Minha cabeça não é tão fresca quanto a sua", ou "Dá para comprar alguma coisa com isso?", ou "Mas que acontecimento!". Naturalmente não se podia exigir de você entusiasmo por qualquer ninharia de criança, vivendo como vivia, cheio de preocupação e trabalho pesado. Nem era disso que se tratava. Pelo contrário, tratava-se do fato de que você precisava causar essas decepções ao filho, sempre e por princípio, graças ao seu ser contraditório.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Arquivo para download: A atividade plástica do esquecimento - perspectiva nietzschiana, por Maria Cristina Franco Ferraz

Uma vez que esquecer é digerir, o esquecimento nietzschiano não se opõe à memória. Como em toda digestão, o processo se dá no tempo e precisa da paciência requerida pelo tempo. Esquecer é incorporar certos elementos em detrimento de outros. Nesse sentido, a concepção nietzschiana da atividade plástica do esquecimento ultrapassa a dicotomia banal memória/esquecimento. Além disso, como processo que se dá no tempo e que se deixa atravessar e transformar pelo vivido, diz respeito à abertura dos poros dessa interface que é a pele. Portanto, esquecer é todo o contrário da pressa e da lógica da descartabilidade que impregna o regime de vida contemporâneo.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Arquivo para download: Carta sobre a felicidade (a Meneceu), de Epicuro

Que ninguém hesite em se dedicar à filosofia enquanto jovem, nem se canse de fazê-lo depois de velho, porque ninguém jamais é demasiado jovem ou demasiado velho para alcançar a saúde do espírito. Quem afirma que a hora de dedicar-se à filosofia ainda não chegou, ou que ela já passou, é como se dissesse que ainda não chegou ou que já passou a hora de ser feliz. Desse modo, a filosofia é útil tanto ao jovem quanto ao velho: para quem está envelhecendo sentir-se rejuvenescer através da grata recordação das coisas que já se foram, e para o jovem poder envelhecer sem sentir medo das coisas que estão por vir; é necessário, portanto, cuidar das coisas que trazem a felicidade, já que, estando esta presente, tudo temos, e, sem ela, tudo fazemos para alcançá-la. Pratica e cultiva então aqueles ensinamentos que sempre te transmiti, na certeza de que eles constituem os elementos fundamentais para uma vida feliz.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Na Web: A subjetivação subversiva, entrevista com Félix Guattari

Entrevista com Félix Guattari concedida a Antônio Lancetti e Maria Rita Kehl, em 1990.

A força dos movimentos racista-reacionários, como a Frente Nacional, na França, ou o Pamiat, na Rússia, é que eles catalisam uma autonomia subjetiva, ao sair da consumação passiva da media. Há uma potência libidinal nesses movimentos reacionários. Nesse sentido, é que não dá para considerá-los movimentos totalitários, simplesmente. Essa característica é que lhes dá capacidade de ganhar terreno sobre os movimentos operários tradicionais. Então, de duas, uma: ou os movimentos progressistas, os movimentos de liberação contemporâneos perderão terreno - incapazes de apreender os novos dados da subjetivação coletiva -, ou adquirirão meios de fazer com que essa subjetivação se dê de maneira verdadeiramente progressista, desenvolvendo referências de liberação, criando novos espaços de liberdade, propondo novos horizontes à subjetivação, fora dos marcos tradicionais e conservadores, e, em particular, reinventando os modos de se fazer política, porque essa temática não é só ideológica e não seria suficiente que o PT, por exemplo, levantasse a bandeira da revolução molecular. É preciso que o PT comece a fazer a sua própria revolução molecular, a sua própria análise institucional - especialmente num terreno que me parece evidente, que é o do papel das mulheres na organização -, o que representa descentrar as preocupações políticas tradicionais.

Ler a entrevista completa

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Arquivo para download: De Bactriana e as margens de Urmi à montanha e o ocaso: como introdução à leitura de Assim falou Zaratustra", por Mónica B. Cragnolini

'Assim Falou Zaratustra' é um livro para todos e para ninguém', como indica o seu subtítulo. Porque certamente qualquer um pode lê-lo, na medida em que, frente ao caráter técnico e dificultoso dos tradicionais livros de filosofia, este se apresenta como um livro de fácil leitura. Por isso, 'para todos': aproxima-te e leia. Contudo: quem pode suportá-lo? Como é possível lê-lo e permanecer igual, sem transformar-se?

[...] Não se pode ler 'Assim Falou Zaratustra' e permanecer sendo o mesmo, porque esse livro, como todas as obras de Nietzsche, é uma provocação, uma exigência, uma explosão. O Zaratustra exige 'decisões'. Isso não tem nada a ver com aquele lema que desde Sócrates se considera próprio da 'verdadeira' vida filosófica: a vida-práxis, 'viver como se pensa'. Não, não se trata disso, porque aqui não se tenta viver como pensa, mas, ao contrário, se pensa como se vive, o pensamento é vida e a vida é pensamento, assim como a escritura não é algo diferente da vida, mas é outra configuração da mesma. Não se trata aqui de harmonia de esferas separadas, ao contrário, é a 'instalação' na imanência.

Exigir 'decisões': talvez seja este um dos aspectos principais do Zaratustra, a partir do ponto de vista do seu caráter de obra transformadora. Porque é certo que não se pode lê-lo sem experimentar transformações, sem sentir a necessidade de 'revisar' atitudes, valores, hábitos, posições, seja para criticá-las, seja para afirmá-las. Por meio dele, a provocação: a reprovação ou adesão, mas quase impossível é a indiferença. Porque não se pode permanecer indiferente quando se questionam os valores que constituem a própria cultura e a forma de ser, não se pode permanecer indiferente quando ao filósofo o chama de 'híbrido de planta e fantasma', ao homem da ciência, 'consciencioso do espírito', ao homem religioso, 'tuberculoso da alma'. Não se pode permanecer indiferente porque o texto aponta como uma arma, o texto ataca e busca ferir, o texto é um instrumento de combate, quer destruir e aniquilar. Há algo para se destruir: a decadência, a enfermidade. Há inimigos, a escritura é também uma estratégia de combate. Não existe aqui nada da 'assepsia' filosófica, nem da abstração e palidez Konisberguense. À Elizabeth, Nietzsche escreve que o Zaratustra não é um presente que se tenha que agradecer festivamente: ali não existe nada para agradecer, ali deve haver dor da transformação, dor diante da agressão, ruptura com as formas de configurações enfermas, ânsias de saúde...

domingo, 7 de agosto de 2016

Arquivo para download: Flutuações da atenção no processo de criação, por Virgínia Kastrup

Denominamos invenção ou criação não um processo psicológico especial, mas a potência que a cognição possui de diferir de si mesma (KASTRUP, 2007a). Constatamos que estudar a criação dentro de parâmetros científicos nem sempre é simples, pois não há uma teoria da criação. Como afirma Isabelle Stengers (1993) a idéia de uma teoria da invenção é uma contradição de termos. Por não ser submetida a leis gerais, a invenção também não está sujeita à previsibilidade. Henri Bergson (1930/2006) sublinha esse ponto quando, na ocasião em que ganha o prêmio Nobel, é perguntado por um jornalista sobre como seria a literatura do futuro. Bergson responde que se fosse possível sabê-lo, ele próprio a faria. Observamos que além de ser preciso abrir mão da intenção de encontrar leis gerais e de fazer previsões quanto a seus resultados futuros, há que se renunciar a explicar a criação pelo criador. Tal caminho não parece adequado, pois ao invés de fundamento, o sujeito deve ser entendido, ele mesmo, como efeito do processo de criação. O desafio é explicar a criação sem apelar para uma instância criadora. Muitas vezes se tem confundido criação com criatividade, o que é também um equívoco a ser evitado. A criatividade é somente uma pequena parte do processo de criação, que é bem mais amplo. A criatividade é apenas a criação de soluções originais para problemas dados, enquanto a criação envolve a invenção dos próprios problemas.

Download

domingo, 17 de julho de 2016

Arquivo para download: O misticismo de Henri Bergson, por Marcilene Aparecida Severino

A grande função do místico é contagiar os demais pelo seu agir moral. São eles os exemplos que a humanidade necessita para basear suas ações. Não se trata de um agir guiado pela razão como propôs Kant, mas um agir guiado pela emoção. Ao propor um modelo de ação moral, Bergson se opõe totalmente a Kant. De acordo com esse último filósofo, o exemplo jamais poderá ser o que nos dê o conceito de moralidade. Mas para Bergson, o agir moral dos grandes místicos pode e deve servir de exemplo. Os místicos possuem uma emoção criadora e por isso são geradores de novas idéias, aceitam novos desafios e nos chamam a atenção pela dedicação e amor à causa por eles defendida. Eles não ordenam, apenas convidam. Este convite se dá de forma a chamar nossa atenção por nosso estado de comodismo e descomprometimento perante as desmazelas do mundo. Mas este convite não se dá de forma uniforme. Todos os seres humanos podem ser impulsionados a ser exemplos porque todos nós possuímos essa emoção criadora. Porém somente em alguns que ela se manifesta plenamente.

Download

Arquivo para download: Henri Bergson, por J.M. Bochenski

Tradução de Antônio Pinto de Carvalho.
in A Filosofia Contemporânea Ocidental.
Herder, São Paulo, 1968
Fonte: www.consciencia.org

A atividade especulativa de BERGSON exerceu-se, sobretudo, em quatro obras que mostram claramente sua evolução espiritual. O Essai sur les données immédiates de Ia conscience (1889) contém a sua teoria do conhecimento; Matière et Mémoire (1896) sua psicologia, L’Évolution créatrice (1907) sua metafísica fundada na biologia especulativa, Les deux sources de la Morale et de la Religion (1932) sua ética e filosofia da religião. Todas estas obras tiveram êxito extraordinário, que se explica não só porque BERGSON expunha uma filosofia realmente nova e que correspondia às necessidades mais prementes da época, mas também porque a exprimia numa linguagem de rara beleza. Por esse motivo lhe foi atribuído, em 1927, o prêmio Nobel de literatura. A uma prodigiosa clareza, a uma artística matização das expressões e a uma impressionante potência de imaginação, alia ele extraordinária gravidade filosófica e uma acuidade dialética sem par. Além disso, suas obras apóiam-se em conhecimentos sólidos, adquiridos à custa de amplas e árduas pesquisas. Por tudo isto, BERGSON foi capaz de superar, a um tempo, o positivismo e o idealismo do século XIX. É um dos pioneiros do espírito novo de nosso tempo.

Download